quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

PANDEMIAS DE GRIPE NO MUNDO E TIPOS DE VÍRUS

TIPOS DE VíRUS DA GRIPE E SUAS PANDEMIAS



Em humanos, os sintomas mais comuns da gripe são: calafrios, febre, dor de garganta, dores musculares, dores de cabeça, tosse, fadiga, espirros, congestão nasal e mal estar. Esses sintomas são desencadeados pela replicação (reprodução e a produção de proteínas especificas) do vírus no interior das nossas células (sistema respiratório).

Como havíamos discutido em aula existem muitas variantes conhecidas do vírus da gripe (INFLUENZA) (estima-se em 144 variantes conhecidas ou subtipos desse vírus). O nome de cada uma é dado pela caracterização das duas principais moléculas protéicas (proteínas ligantes na superfície do envelope): a hemaglutinina (H) e a neuraminidase (N). Essas proteínas são importantes no reconhecimento da célula hospedeira do vírus e na ligação do mesmo a esta célula.

H1N1 -Tanto o vírus da atual gripe A (influenza A) como o da gripe espanhola que ocorreu em 1918/19 pertencem a esta estirpe, todavia o subtipo ou variante antiga (1918) ter sido muito mais virulenta e letal (o número de vítimas ficou entre 40 e 100 milhões de pessoas no mundo todo).

H2N2 – Menos mortífero do que o H1N1, este tipo de vírus foi o responsável pela pandemia de 1957/58, que ficou conhecida como “gripe asiática” e fez um a dois milhões de mortos, sobretudo entre os mais jovens e idosos. Em apenas 10 meses atingiu a maior parte da população mundial.

H3N2 – Dez anos depois da “gripe asiática” surgiu a pandemia da “gripe de Hong-Kong”. Durou pouco tempo e foi a mais ligeira das três gripes que ocorreram ao longo do século passado. Assim que a população criou imunidade contra ele, tornou-se um vírus da gripe sazonal que ainda continua a circular entre nós.

H5N1 – O vírus da “gripe das aves” foi descoberto em 1997 e foi agora apontado como sendo a fonte mais provável da gripe A. Não passa facilmente de pessoa para pessoa e, desde 1997, infectou 447 pessoas em 15 países e matou outras 263.
 
Os vírus da influenza estão em constante evolução, assim como qualquer outro vírus ou organismo. Todavia, devido ao fato de seu genoma ser constituído por oito (8) moléculas de  RNA (sua taxa de mutação é mais elevada). Além da evolução através de mutações que normalmente se observa todos os vírus, o vírus da gripe também pode sofrer recombinação, nesse caso podem ser produzidos  novos vírus (desde que dois ou mais tipos de vírus se encontrem dentro de um mesmo hospedeiro). Isso faz com que todo ano, os vírus da gripe não sejam os mesmos do ano anterior. Isso possibilita que novos vírus surjam repentinamente e para os quais não estamos preparados, com vacinas específicas.

 Pandemias registradas nos dois últimos séculos na humanidade e o número de mortos devido à Influenza. 

Na pandemia de 1957 devido a gripe asiática (H2N2) levou apenas 6 meses para esse vírus alcançar todos os continentes e o número de mortos ficou em torno de 1,5 a 2 milhões de pessoas no mundo todo.

 A figura mostra o mapa do mundo e apresenta as cepas de vírus da gripe e sua distribuição no ano de 2006. A cada ano esse mapa varía devido a circulação intesa de pessoas ao redor do mundo o que leva às autoridades da saúde e vigilância sanitária a ficarem sempre alertas para identificar uma possível epidemia que surge. Como os vírus podem se recombinar dentro das células do hospedeiro é possivel o aparecimento de novos vírus ao longo do tempo.
(Fonte do mapa: https://netnature.wordpress.com/2011/08/page/4/)



MOLÉCULAS DE RNA ENCONTRADOS 
EM UM VÍRUS DA INFLUENZA





REFERÊNCIAS

http://cuidadossaude.com/2010/01/novo-virus-da-gripe-h9n2-ataca-na-asia/
http://www.virology.ws/2009/05/01/influenza-virus-rna-genome/

https://netnature.wordpress.com/2011/08/page/4/


http://webpages.fc.ul.pt/~mcgomes/news/index_gripe.htm





OUTRAS FONTES PARA VOCÊ PESQUISAR

http://www.who.int/en/ - Organização Mundial de Saúde
http://www.dgsaude.pt/ - Direção Geral de Saúde, Portugal
http://www.cdc.gov/ - Centers for Disease Control, USA
http://www3.niaid.nih.gov/ - National Institute of Allergy and Infectious Diseases, USA
http://www.ecdc.eu.int/ - European Centre for Disease Prevention and Control, UE
http://www.hc-sc.gc.ca/index_e.html - Health Canada

0 comentários:

Postar um comentário