terça-feira, 4 de outubro de 2016

EVOLUÇÃO DAS PLANTAS

EVOLUÇÃO DAS PLANTAS

A evolução da vida no planeta Terra iniciou logo após sua formação e esfriamento, com a água trazida por cometas e asteróides e aquela formada pelo próprios gases do nosso planeta, assim, se tentarmos colocar em ordem os fatos que teriam acontecido teriamos uma longa lista de eventos importantes e entre eles os seguintes:
Moléculas orgânicas
Coacervados
Ácidos nucléicos
Célula procariótica heterotrófica
Célula procariótica autotrófica
Estromatólitos
Célula eucariótica
Eventos de endossinbiose
Algas verdes unicelulares
Algas verdes pluricelulares
Briófitas
Tecidos 
Pteridófitas
Semente
Gimnospermas
Flores e frutos
Angiospermas

A colonização da terra firme estava associada à evolução de estruturas para obter água e minimizar a sua perda. 
Os requisitos para um organismo fotossintetizante são simples: luz, água, gás carbônico, e alguns minerais (sais). No abiente terrestre, a luz, o oxigênio e o gas cargônico são abundantes, os quais circulam mais livremente na atmosfera do que na água; e o solo é geralmente rico em sais minerais. O fator crítico para a transição para o ambiente terrestre (para a vida ao ar livre) é a água. 
Os animais terrestres devido a sua mobilidade podem procurar água da mesma maneira que buscam o seu alimento, os fungos embora imóveis permanecem em grande parte abaixo da superfície do solo ou dentro de qualquer que seja o material orgânico úmido do qual estejam se alimentando. As plantas utilizam uma extragégia evolutiva alternativa: a raiz fixa a planta ao solo e coleta água e sais necessários para a manutenção do corpo da planta e para a fotossíntese, enquanto o caule serve de suporte para os principais orgãos fotossintetizantes, as folhas. Uma corrente contínua de água se move para a parte superior da planta, a partir das raízes, depois pelo caule e pelas folhas sendo então eliminada para fora como vapor de água. A epiderme, camada mais externa de células que reveste todas as porções aéreas da planta diretamente envolvidas com a fotossíntese, é recoberta por uma cutícula, que é provida de cera e retarda a perda de água pelos tecidos. Contudo a cutícula tende a evitar as trocas gasosas entre a planta e o ar circundante as quais são necessárias tanto para a fotossíntese quanto para a respiração. A solução para este dilema (evitar a perda e deixar a planta respirar e executar as trocas gasosas com o meio) foi resolvido pelos estômatos. Os estômatos são constituídos de um par de células epidermicas especializadas (células-guarda) com uma pequena abertura entre elas. Os estômatos abrem-se e fecham-se em resposta a sinais ambientais e fisiológicos ajudando assim a planta a manter o balanço entre a perda de água e suas necessidades de oxigênio e gás carbônico.
Outros problemas  que tiveram que ser resolvidos para habiter em terra firme (e suas soluções):
a maior quantidade de radiação (luz e luz ultravioleta (UV)) na atmosfera do que dentro da água, (epiderme com cuticúla e ceras)
temperatura mais variável ao ar livre do que dentro da água (estômatos e tecidos de preenchimento).
transporte de água e sais (já que dentro dágua cada célula absorvre o que necessita) (vasos condutores de seiva).


0 comentários:

Postar um comentário