quinta-feira, 19 de maio de 2016

SUPER CLASSE PISCES (PEIXES)


 PISCES - PEIXES


Os peixes vivem as águas salgadas dos mares e oceanos e as águas doces dos rios, e lagos.
Provavelmente, foram os primeiros vertebrados a surgir na Terra, e eram pequenos, sem mandíbula, tinham coluna vertebral cartilaginosa e uma carapaça revestindo seus corpos. Ao longo da evolução, houve uma série de adaptações que permitiram aos peixes melhores condições de sobrevivência em seu habitat. Inicialmente eram filtradores de partículas nutritivas suspensas na água ou depositadas no fundo do oceano, rios e lagos. Mas esse modo de vida os tornavam presas em potencial de alguns tipos de invertebrados, ao longo de milhões de anos evoluiram características que os permitiam tornarem-se eficientes predadores.
O termo "peixe" é frequentemente utilizado para descrever um vertebrado aquático com brânquias, membros  locomotores (se presentes), na forma de nadadeiras, e normalmente com escamas de origem dérmica no tegumento (epiderme). Sendo este conceito do termo "peixe" utilizado por conveniência, e não como uma unidade taxonômica, porque os peixes não constitui um grupo monofilético, já que eles não possuem um ancestral comum.

Tradicionalmente os peixes são divididos em dois grupos:
CHONDRICHTHYES: Peixes com esqueleto cartilaginosos  ex.: tubarões e raias.

OSTEICHTHYES: Peixes com esqueleto ósseos como por ex.: bacalhau, sardinhas, atum, salmão, garoupa.

Entretanto existiem ainda outros organismos que são incluidos nesse termo (peixe) como por exemplo, as lampreias e feiticeiras (Agnatha). 


CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS PEIXES

Bilaterais

Triblásticos

Celomados – Enterocelomados

Notocorda

Cordão nervoso dorsal oco

Fendas branquiais

Coração ventral

Cauda pós-anal

Epitelio de revestimento (com escamas, muco)

Esqueleto de origem mesodermica

Cordados

Gnatostomados

Vertebrados  (esqueleto cartilaginoso ou ósseo)
Pescilotérmicos (temperatura varia conforme o ambiente)
Aquáticos (marinho ou água doce)
Respiração branquial ou pulmonar (membrana da bexiga natatória é vascularizada e permite a realização das trocas gasosas entre o ar presente no interior desta e o sangue).
Brânquias livres  (peixes cartilaginosos) ou protegidas  por opérculo (peixes ósseos)
Boca ventral ou sub-terminal: peixes cartilaginosos ou  boca terminal ou anterior: nos peixes ósseos.

ORIGEM

No período Cambriano, cerca de 510 milhões de anos atrás, apareceram aos primeiros tipos de peixes, denominados de ''Ostracodermos''. 
Os Ostracodermos viveram nos oceanos antigos durante um curto período de tempo geológico, que durou do Cambriano (500 milhões de anos atrás) até o final do período Devoniano, cerca de 310 milhões de anos atrás. 
Os Ostracordermos eram organismos muito diferentes dos peixes que hoje nós conhecemos. 
Eram peixes que não apresentavam mandíbulas, tendo o corpo recoberto por placas ósseas.
Ostracodermos (fósseis) atualmente estão colocados na classe Agnatha ou Ciclostomata. 
Os Agnata atuais são peixes viventes que também não apresentam mandíbula e incluem peixes como as lampréias e feiticeiras.

 Lampreia um peixe parasita (Agnata) atualmente existente, atacando um peixe ósseo (Fonte Wikipedia).

Boca circular de uma Lampreia (Petromyzon) (Fonte: Wikipedia).

 Coluna geológica da origem dos peixes (Fonte: Wikipedia)

ORIGEM DA MANDÍBULA (1, 2 E 3)
A seguir acompanhe os vídeos sobre origem da mandibula nos peixes.

 (1) 

(2)

(3)


AGNATHA 

CARACTERÍSTICA DOS AGNATHA

Corpo com formato hidrodinâmico, alongado.
Sem mandibula ou maxila.
Sem escamas.
Boca circular para sucção e dentes pontiagudos para raspar. 
Sem nadadeiras pares.
Abas peitorais presentes em algumas formas extintas (atualmente desapareceram).
Nas espécies ancestrais a pele era revestida por fortes escamas ósseas, que foram perdidas nas atuais.
O esqueleto é cartilaginoso nas formas atuais e parece que nas espécies extintas elas também não eram ossificadas. 
A notocorda persiste nos adultos.
Apresentam um "olho pineal mediano" ou mancha fotossensível.
As formas extintas e atuais apresentam uma narina única e mediana, localizada à frente do olho pineal.
Apresentam sete ou mais aberturas brânquiais. 
A faringe é utilizada na alimentação por filtração, nas larvas e nos adultos das espécies extintas. 
Ex.: Lampreias e Peixe-bruxa (feiticeira) 
As feiticeiras são cavadores marinhos que fazem tocas em sedimento lodoso.

 Exemplos de Agnathos ancestrais.










 GNATOSTOMADOS 

Um dos mais antigos peixes mandibulados. 

primeiros peixes mandibulados (Fonte: Wikipedia)


Gnatostomado hipotético mostrando as partes derivadas em relação aos Agnatha (Fonte: várias fontes Wikipedia, Google images).
Filogenia dos Cordados. (Fonte: Wikipedia)
Forma do corpo
O corpo é fusiforme, hidrodinâmico, comprimido (achatado latero-lateralmente) ou deprimido (achatado dorso-ventralmente).



Circulação sanguínea


O sistema circulatório nos vertebrados e nos peixes é fechado (sangue circula dentro de vasos) e apresenta um coração, realizando o transporte de nutrientes e gases respiratórios. O coração dos cordados é sempre ventral mas com número variável de cavidades (2, 3 e 4 cavidades).


Circulação fechada

Neste tipo de circulação todo o percurso do sangue é realizado dentro dos vasos sanguíneos. É mais evoluída que a circulação simples, o coração é mais musculoso, há capilares, a pressão sanguínea e velocidade do fluxo são maiores e a quantidade de alimento que pode ser transportado por unidade de tempo também é maior. Encontramos este tipo de circulação nos anelídeos e nos vertebrados, e nestes últimos, ela pode ser simples ou dupla. 

Circulação fechada simples
Só existe um tipo de sangue, o venoso. Ocorre em vertebrados de respiração branquial:  os peixes. 
O sangue realiza trocas gasosas nas brânquias e retorna ao coração.

Circulação fechada dupla
Neste tipo de circulação há dois tipos de sangue: o sangue venoso e o sangue arterial, pois há uma circulação pulmonar e uma circulação sistêmica. 
Esses dois tipos de sangue nuca saem da rede de vasos sanguíneos.
Este tipo pode ser dividida em completa e incompleta. Quando há mistura dos dois tipos de sangue porque o coração possui menos de quatro câmaras ou a separação destas é incompleta, a circulação é dita incompleta. 
Se não há mistura dos dois tipos de sangue, ela é dita completa.

Reprodução 
Os peixes apresentam fecundação externa (a fêmea deposita os ovos e o macho os fecunda com seu esperma) ou interna (ocorre cópula com fecundação interna e desenvolvimento dos ovos internamente, no útero, da fêmea). Os ovos fecundados se desenvolvem  e do ovo eclode uma larva, o alevino.
Quanto a reprodução pode-se dividir os peixes em: 

Ovíparos: os filhotes se desenvolvem fora do corpo da mãe, dentro do ovo que contem os nutrientes necessários. Mais de 90% dos peixes pertencem a essa categoria.

Vivíparos: os filhotes se desenvolvem dentro do corpo da mãe recebendo diretamente dela os nutrientes necessários.

Ovovivíparos: ocorre uma combinação das duas formas, isto é, os filhotes se desenvolvem dentro do ovo e dentro do corpo da mãe. Na hora do nascimento, os filhotes saem do ovo.









Bibliografia 
Glossário importante sobre peixes:

Origem dos peixes 






EXERCÍCIOS DE REVISÃO

1) CITE 5 CARACTERÍSTICAS DA SUPERCLASSE DOS PEIXES.

2) DIFERENCIE PEIXE CARTILAGINOSO DE PEIXE ÓSSEO.
(Mínimo três características).

3) CITE 4 ADAPTAÇÕES DOS PEIXES AO AMBIENTE AQUÁTICO.




ADAPTAÇÕES DOS PEIXES 

Alguns peixes podem voar mas essa característica é uma adaptação para fugir de predadores. Assim eles ganham impulso e ao sair da água estendem suas barbatanas (nadadeiras peitorais) e planam por até 400 m de distância para fugir de seus predadores naturais.


COMPARAÇÃO ENTRE PEIXES CARTILAGINOSOS (CONDRÍCTES) E PEIXES ÓSSEOS (OSTEÍCTES) QUANTO AO ESQUELETO, ESCAMAS, VÁLVULA ESPIRAL, BRÂNQUIAS, POSIÇÃO DA BOCA, BEXIGA NATATÓRIA E SISTEMA DIGESTIVO. 

0 comentários:

Postar um comentário