quarta-feira, 27 de setembro de 2017

COMPARAÇÃO ENTRE PEIXES CONDRÍCTES E OSTEÍCTES

SUPERCLASSE PEIXES

Peixe Ósseo e suas nadadeiras.

Peixe Cartilaginoso e suas nadadeiras e anatonmia

Os peixes são animais cordados, vertebrados, aquáticos, tipicamente ectotérmicos, que possuem o corpo fusiforme, hidrodinâmico, para deslocamento no meio aquático usam barbatanas ou nadadeiras (com formado de remos, ausentes em alguns grupos) sustentadas por raios ósseos ou cartilaginosos, apresentam brânquias (guelras) com que são responsáveis pelas trocas gasosas (retiram o oxigênio dissolvido na água e liberam o gás carbônico). Alguns peixes (os DIPNÓICOS)  apresentam pulmões e, na sua maior parte, o corpo é coberto por escamas de diversos tipos.
Os peixes são recursos importantes, sendo usados principalmente como alimento para nossa espécie desde os primórdios de nossa evolução. Apresenta-se rico em proteínas, gorduras e vitaminas. Para saber se um peixe esta fresco,  adequado para o consumo humano ou corretamente conservado, precisamos observar se as brânquias estão vermelhas, os olhos brilhantes, a carne e escamas firmes.

O ancestral dos peixes apareceu no registro fóssil cerca de 510 milhões de anos atrás (no período cambriano), estes deram origem aos primeiros tipos de peixes, denominados de Ostracodermos. Os ostracodermos viveram nos oceanos antigos durante um certo período de tempo geológico, que durou do cambriano até o final do período devoniano, cerca de 310 milhões de anos atrás. Os Ostracodermos eram organismos muito diferentes do peixe típico que conhecemos. 
Eram peixes que não apresentavam mandíbulas (tinham boca circular) e tinham o corpo recoberto por placas ósseas. 
Atualmente há a compreensão de que os ostracodermos estariam na classe Agnatha (Άγναθα = A: prefixo de negação: não + gnatha= mandibula) ou Ciclostomata (Kyklos: circular + stoma: boca), que são peixes viventes atualmente e que também não apresentam mandíbula. Esta classe inclui as Lampréias (Petromizontidae) e as feiticeiras (Mixines).


CARACTERÍSTICAS
Vertebrados aquáticos
Respiração branquial - água entra pela boca banha os filamentos branquiais (onde ocorre as trocas gasosas) e sai pelo opérculo ou pelas fendas branquais.
Poucas especies são pulmonadas
Coração com um átrio e um ventrículo (circulação simples)
Quanto a temperatura corporal são pecilotérmicos, a temperatura corporal varia de acordo com o ambiente. 
Possuem nadadeiras peitorais, ventrais, dorsal, anal e caudal.
Possuem esqueleto cartilaginoso ou ósseo. 
Peixes cartilaginosos (do grego chondros = cartilagem + ichthys = peixe) possuem fígado oleoso com o qual controlam sua densidade. 
Possuem escamas do tipo Placóides. A pele é rija e está coberta com escamas semelhantes a dentes (compostas por uma placa de dentina na derme, revestida por esmalte) com um espinho orientado para trás, bem como numerosas glândulas mucosas. 
O revestimento com escamas placóides confere à pele uma textura de lixa, o que torna o animal mais hidrodinâmico, pois reduzem o arraste. 
Peixes cartilaginosos possuem boca ventral, fendas branquiais normalmente sem opérculo.
Tubarões, cações, raias e quimeras possuem narinas, responsáveis somente pelo olfato e um sistema sensorial altamente desenvolvido. 
Peixes ósseos possuem boca anterior (terminal)
Apresentam opérculo (placa óssea) que recobre a brânquias
Esqueleto ósseo
Bexiga natatória para o controle do equilíbrio (emergir e submergir); estando cheia de ar o peixe sobe em direção a superfície, estando vazia o peixe desce. O peixe pode subir e descer sem nadar.   

AGNATA
Características: Possuem corpo alongado e uma abertura nasal;
Não possuem mandíbula, ossos, escamas e nadadeiras pares;
As lampréias são parasitas de água doce que atacam outros peixes com uma sucção da boca, raspando e sugando os fluídos do corpo do hospedeiro. 
Classe Agnata

COMPARAÇÃO ENTRE PEIXES CARTILAGINOSOS E ÓSSEOS 

 (CLIQUE EM CIMA DA TABELA E ABRA EM OUTRA ABA PARA AMPLIAR)

Peixes ósseos da América do Norte.

Peixe ósseo diafanizado.

Peixe diafanizado com KOH



Bibliografia
http://professorcesaraugusto.blogspot.com.br/2010/12/diafanizacao-com-koh-e-coloracao-por.html 







0 comentários:

Postar um comentário