terça-feira, 4 de outubro de 2016

BRIÓFITAS, HEPÁTICAS E MUSGOS

BRYOPHYTA 

O TERMO BRYOPHYTA vem do grego e βρύον = bryon, musgo das árvores e φυτόν = phyton, planta, vegetal.

Marchantia spp (a liverwort)


HEPÁTICAS (HEPATOPHYTA) 
GAMETÓFITOS MASCULINOS DE 
Marchantia spp
FOTOGRAFADAS NO PARQUE FARROUPILHA
 PORTO ALEGRE


 BRIÓFITAS

As briófitas compartilham com todas as plantas verdes as seguintes características:


1) Presença de gametângios masculinos (ANTERÍDIOS) e gametângios femininos (ARQUEGÔNIOS) com uma camada protetora de células estéreis conhecida como ENVOLTÓRIO

2) RETENÇÃO DO ZIGOTO E DO EMBRIÃO MULTICELULAR EM DESENVOLVIMENTO OU DO ESPORÓFITO JOVEM DENTRO DO ARQUEGÔNIO OU GAMETÓFITO FEMININO, O QUE É CHAMADO DE MATROTROFIA.

3) Presença de um esporófito diplóide multicelular que resulta em um aumento do número de meioses e do número de esporos que podem ser produzidos após cada evento de fecundação. Isto é, quanto maior o esporófito maior será o número de esporos que ele produzirá.

4) Os esporângios multicelulares que são constituídos por um envoltório de células estéreis e um tecido interno produtor de esporos (chamado tecido ESPORÓGENO) 

5) MEIÓSPOROS (ESPOROS e GRÃOS DE PÓLEN) com a parede contendo esporopolenina, que resiste à decomposição e a dessecação. (A esporopolenina é também encontrada em paredes celulares das algas verdes, o que aproxima as plantas das talófitas). 

ESPOROPOLENINA É UMA MISTURA DE BIOPOLÍMEROS CONTENDO LONGAS CADEIAS DE ÁCIDOS GRAXOS, ÁCIDO CUMÁRICO, ÁCIDOS MONO E DICARBÔNICOS, FENILPROPANOIDES, FENÓIS E TRAÇOS DE CAROTENÓIDES. ESSES COMPOSTOS TORNAM A PAREDE DO ESPORO RESISTENTE A DEGRADAÇÃO QUÍMICA OU ENZIMÁTICA.


6) "Tecidos" produzidos por um MERISTEMA APICAL


 A MAIORIA DESSAS CARACTERÍSTICAS ESTÃO AUSENTES NAS ALGAS VERDES (CHLOROPHYTAS E CHARÓFITAS; EXCETO O BIOPOLÍMERO ESPOROPOLENINA). O QUE TORNA AS BRIÓFITAS OS ANCESTRAIS MAIS ANTIGOS DE TODAS AS PLANTAS VERDES TERRESTRES, SENDO ELAS MESMAS (AS BRIÓFITAS) DESCENDENTES DAS ALGAS. 

ALÉM DISSO, SÃO PLANTAS PIONEIRAS PODENDO VIVER SOBRE ROCHAS E ESCARPAS ROCHOSAS ACIMA DO LIMITE DA LINHA DAS ÁRVORES EM MONTANHAS MUITO ALTAS, PODEM SUPORTAR LONGOS PERÍODOS DE FRIO INTENSO COMO NO CONTINENTE ANTÁRTICO, ONDE É A UNICA ESPÉCIE DE PLANTA A SOBREVIVER. 

ELAS TAMBEM SÃO IMPORTANTES POR SEREM ARMAZENADORAS DE CARBONO, DESEMPENHANDO ASSIM UM PAPEL I MPORTANTE NO CICLO GLOBAL DO CARBONO. 


TODAVIA AS BRIÓFITAS SÃO MUITO SENSÍVEIS À POLUIÇÃO DO AR, SERVINDO COM BIONDICADORAS DO ESTADO DO AMBIENTE; POIS DESAPARECEM EM ÁREAS MUITO POLUÍDAS (OU APENAS ALGUMAS POUCAS ESPÉCIES DE BRIÓFITAS SOBREVIVEM).






 MUSGO EM UM MURO EM PORTO ALEGRE (Pilotrichum spp)
 MUSGO COMO PARTE DA DECORAÇÃO DO SHOPPING IGUATEMÍ - PORTO ALEGRE



BRIÓFITAS (MUSGO) ENCONTRADA EM TRONCO DE ÁRVORES PROXIMO AO BRASÍLIA SHOPPING MALL (BRASÍLIA) 


REPRODUÇÃO DAS BRIÓFITAS 



CONFORME VISTO EM AULA O ESQUEMA ACIMA MOSTRA O CICLO DE VIDA DE UMA BRIÓFITA (MUSGO) E SUAS ESPECIALIZAÇÕES PARA ENFRENTAR O AMBIENTE TERRESTRE.
















BIBLIOGRAFIA

RAVEM, P. H. EVERT, R.F. & EICHHORN, S.E. BIOLOGIA VEGETAL, RIO DE JANEIRO, ED. GUANABARA KOOGAN S.A. 2007.
















0 comentários:

Postar um comentário